Especial Estante de HQs

Até então inéditos no Brasil, a SESI-SP Editora publicou, em 2016, a HQ Verões felizes – 1. Rumo ao sul! e, no início deste ano, Verões felizes – 2. A calanque. A famosa série europeia conta a história família Faldérault, que trabalha para pagar as férias de verão. Sucesso entre os apaixonados por histórias em quadrinhos, Verões felizes é de autoria do belga Zidrou, que conversou com PH para a revista Ponto, e com ilustrações do espanhol Jordi Lafebre.

PH – Em Verões felizes, qual efeito vocês buscaram ao organizar a série partindo da situação ‘presente’ em direção ao ‘passado’, passando por momentos de flashback?

Zidrou – A familiarização. Queremos que o leitor se apaixone pela família Faldérault e que ele a ame, como Jordi e eu a amamos. Nossa série fala da maior de todas as aventuras, que é a vida em família, a vida cotidiana de uma família, com suas grandes alegrias e pequenas tristezas.

PH – Aqui no Brasil, a série vem recebendo muitos elogios, seja pelo traço marcante e característico de Lafebre, seja pelo enredo envolvente. Muitos de nós brasileiros, inclusive, nos identificamos com as longas travessias nas férias, com a família em busca do sol. Como é, para você, perceber que uma narrativa de essência franco-belga possa repercutir de forma tão impactante no imaginário sul-americano?

Zidrou – Sem dúvida, isso se explica pelo fato de ter escutado música brasileira, enquanto roteirizava esses álbuns. Ou então, não seria porque nada toca mais no universal do que o íntimo? Eu não estou aqui para entender o porquê. Estou aqui, ao contrário, para abrir uma janela de possibilidades.

PH – A série, como vocês mesmo afirmam, fala da vida, a vida real. Em que medida ela traz suas memórias pessoais (e reais)?

Zidrou – Pouco! Bem pouco, mesmo que Pierre Faldérault, aliás, Pif, tenha um pouco de mim e de Jordi Lafebre! Determinadas histórias vêm de experiências vividas por meio de conhecimentos que eu armazenei ao longo dos anos. Algumas vêm da minha própria experiência. (Pierre é que dá as ordens. Isso, por exemplo, é uma característica minha! Mas, a maior parte das histórias é inventada.)

PH – Os personagens são inspirados em algo/alguém?

Zidrou – Ah, mas eles existem de verdade, já que nós os inventamos.

PH – Perguntamos isso, pois, mais do que nunca, a autoficção ganha (quase todo o) espaço na literatura convencional em todo o mundo. Seria interessante observar esse mesmo movimento nos quadrinhos.

Zidrou – Sim, mas se eu contasse a minha vida real ou se Jordi falasse sobre a verdadeira existência dele, isso não seria muito interessante… ou, ao contrário, bem embaraçoso. Inventar é melhor! Inventar é sonhar!

PH – Ainda em relação à última pergunta, quais seriam suas dicas para jovens roteiristas brasileiros que estão apenas começando? Falar da vida real ou continuar apostando em “brigas sangrentas e complôs internacionais”?

Zidrou – Eu os aconselho a fazer… aquilo que amam, aquilo que têm vontade, aquilo que lhes dá prazer, aquilo que faz bem a eles, resumindo, falar sobre o que os emociona, os revolta e os faz sentir vivos… e, de maneira alguma, roteirizar o que um editor pede. Os editores têm a tendência a imitar o que “funciona”. E nós, os criadores, não estamos aqui para fazer funcionar, mas, ao contrário, para não sermos perfeitos.

PH – As referências utilizadas na HQ, tanto políticas quanto artísticas, são trazidas com a intenção de aproximar mais ainda a história da realidade?

Zidrou – Com certeza!

PH – Aliás, quais são suas influências? Algum quadrinista, músico, escritor em particular?

Zidrou – Todos. Todos. Eu sou uma esponja. E gosto de tudo. Chega a ser um drama. Mas eu admito que tenho preferência pelos criadores que ousam, que se colocam em risco. E, acreditando ou não, ao inventarmos o universo de Verões felizes, Jordi e eu nos colocamos em perigo, em relação às expectativas do “mercado”. Falo isso sem qualquer vaidade!

 

Send to Kindle
Paulo Henrique Tirre

Paulo Henrique Tirre

Paulo Henrique Tirre, mais conhecido como PH, é neto de italianos, mas suas grandes paixões são a França e a Bélgica, e os quadrinhos produzidos nesses dois países, publicações que coleciona e acompanha há mais de quarenta anos. É gerador de conteúdo do site tujaviu.com, consagrado a quadrinhos não mainstream, em sua maioria europeus. Lá costuma entrevistar em vídeo vários expoentes da Banda desenhada franco-belga. PH é tradutor, já tendo trabalhado para diversas editoras.

Leia também

Entrevista

Machismo, coisa do passado (risos)

por

Mary Beard, 63, é a intelectual da moda no Reino Unido. Além de dar aulas sobre a Antiguidade clássica em […]

Entrevista

Os contadores de histórias

por

Poderia ser só mais uma história de garotos tímidos que gastam as horas da infância e da adolescência, aparentemente muito […]