Ao pé da letra #10

ATAQUE À FOLIÃ

“Laís pulou carnaval no interior e foi atacada pelas murissocas.”

Não aproveitou e nem soube escrever o nome do inseto.

Não existe a palavra “murissoca”. A grafia correta é muriçoca (espécie de pernilongo; a origem do nome, segundo Houaiss: “tupi *mberu’soka ‘pernilongo’, formado do tupi mbe’ru ‘mosca’ e tupi ‘soka’, ‘que quebra, que parte, que fura’; há tb. as f. meruçoca, moroçoca, muruçoca.

Frase correta: “Laís pulou carnaval no interior e foi atacada pelas muriçocas.”

MARCHA ERRADA

“Murilo queria saber se o trio elétrico tinha marcha ré.”

Escrevendo assim, cuidado para não ser atropelado!

Não existe “marcha ré”. O correto é marcha à ré.

“Murilo queria saber se o trio elétrico tinha marcha à ré.”

LANCHE RUIM

“Renata pediu um mixto quente, que chegou frio.”

Não poderia ser diferente…

Segundo o Acordo Ortográfico de Unificação da Língua Portuguesa, usa-se s, e não x, depois de i e u, em final de sílaba que não seja final de palavra. Ex.: misto, justapor, justaposição etc.

Frase correta: “Renata pediu um misto quente, que chegou frio.”

POLITICAGEM

“Leonardo cobrou do deputado maior transparência no seu mandado.”

Não pode cobrar nada escrevendo dessa maneira.

Veja a diferença: mandado – ordem judicial; mandato – período de um governo.

Frase correta: “Leonardo cobrou do deputado maior transparência no seu mandato.”

VACINA DOLORIDA

“Adriana foi mordida por um cão de rua, foi preciso tomar a vacina anti-rábica.”

Não vai surtir efeito.

Segundo o Acordo Ortográfico de Unificação da Língua Portuguesa, quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com s ou r, consoantes passam a ser duplicadas. Ex.: antessala, antissocial, autorreflexivo, autorregulamentação, ultrassom, suprarrenal etc.

Frase correta: “Adriana foi mordida por um cão de rua, foi preciso tomar a vacina antirrábica.”

PARTICÍPIOS

Você sabe como e quando empregar os particípios morto, morrido e matado?

Matado e morrido são utilizados com os verbos auxiliares ter e haver. Ex.: Ele confessou ter matado a esposa. Quando chegamos, ela já havia morrido.

Morto é um particípio utilizado com os verbos auxiliares ser e estar. Ex.: Ele foi morto pelos bandidos.

COMIDA INDIGESTA

“André sentou-se na mesa para comer, mas a comida não veio na hora.”

Escrevendo assim, não vai se alimentar bem.

“Sentar-se na mesa” seria o mesmo que sentar “sobre a mesa”.

Período correto: “André sentou-se à mesa para comer, mas a comida não veio na hora.”

ENTRETENIMENTO FAJUTO

“A babá tentava enterter o menino, que não parava de chorar.”

Nem poderia parar de chorar, a palavra “enterter” não existe!

A palavra correta é entreter, que significa distrair, ocupar, prender a atenção.

Frase correta: “A babá tentava entreter o menino, que não parava que chorar.”

MUSCULATURA DOLORIDA

“Alice correu a meia maratona e terminou com muitas câimbras.”

Cãibra ou câimbra?

Tanto faz! Ambas as formas são corretas e constam do Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras.

DE PÉ EM PÉ

A pé denota ação de deslocar-se para determinado local sem nenhum tipo de veículo.

Ex.: “Ele anda a pé todos os dias de casa para o trabalho.”

De pé se refere ao fato de firmar, continuar, manter-se.

Ex.: “Nossa viagem no final de semana está de pé?”

Em pé refere-se ao ato de encontrar-se ereto, sobre os próprios pés.

Ex.: “O bebê conseguiu ficar em pé sozinho.”

DESCIDA ARRISCADA

“Adriana escorregou feio ao descer a escada pulando os degrais de dois em dois.”

Não poderia evitar o acidente escrevendo dessa maneira.

O plural de degrau é degraus. O de troféu é troféus.

Frase correta: “Adriana escorregou feio ao descer a escada pulando os degraus de dois em dois.”

FALTOU LINGUIÇA

“Ana Luísa disse que não comeria a lingüiça calabreza de jeito algum.”

Esse prato nem existe no cardápio!

A grafia correta é calabresa, com s. E sem trema!

Para relembrar: segundo o Acordo Ortográfico de Unificação da Língua Portuguesa, a palavra “linguiça” não tem mais o sinal trema, devendo ser grafada sem ele.

Frase correta: “Ana Luísa disse que não comeria a linguiça calabresa de jeito algum.”

AUDIÊNCIA CANCELADA

“André foi à Câmara falar com o vereador da cidade.”

Exerceu sua cidadania, mas poderia evitar o pleonasmo.

Se André procurou o vereador (cargo eletivo municipal), só pode ser da cidade (município).

Frase correta: “André foi à Câmara falar com o vereador.”

DESCARRILHAMENTO

“O trem descarrilhou antes de chegar à estação.”

Descarrilhou ou descarrilou?

Tanto faz! Ambas as formas estão corretas:

descarrilhar (desviar dos trilhos) e descarrilar (desviar dos carris).

VIAJANDO

“Fiz uma bela viagem de final de ano com amigos. Espero que eles viagem novamente ano que vem.”

Essa nova viagem não deve ocorrer…

A palavra está mal-empregada na segunda frase, já que foi usado o substantivo viagem em vez do verbo viajar (conjugado no presente do subjuntivo: que eu viaje/que tu viajes/que ele viaje/ que nós viajemos/ que vós viajeis/que eles viajem).

Período correto: “Fiz uma bela viagem de final de ano com amigos. Espero que eles viajem novamente ano que vem.”

ENTREGA FURADA

“Jorge entregou seu portifólio na agência de publicidade.”

Não vai nem ser visto! A palavra está grafada erroneamente.

Portfólio (sem a letra i) significa:
1. Conjunto de material gráfico para apresentações; 2. Conjunto de trabalhos ou fotografias de trabalho de um profissional das artes; 3. Dossiê ou documento com registro individual de habilitações ou experiências.

Frase correta: “Jorge entregou seu portfólio na agência de publicidade.”

PENTEADO

“Eu pentio meu cabelo de lado, proclamou Lívia, para espanto da prima Manuela.”

Vai ficar descabelada.

A conjugação do verbo pentear no presente do indicativo é: eu penteio/tu penteias/ele penteia/nós penteamos/vós penteais/eles penteiam.

Frase correta: “Eu penteio meu cabelo de lado, proclamou Lívia, para espanto da prima Manuela.”

GATINHO ESFOMEADO

“Flávia ficou triste ao ver o gatinho em estado de inanissão.”

Não há ajuda que o faça melhorar escrevendo assim.

A palavra inanição está grafada erroneamente.

Frase correta: “Flávia ficou triste ao ver o gatinho em estado de inanição.”

COMÉRCIO PREJUDICADO

“Anderson queria aumentar a faixada do seu comércio, mas o arquiteto achou melhor deixar como está.”

Não vai conseguir o que deseja.

A palavra fachada está escrita de forma errada.

Frase correta: “Anderson queria aumentar a fachada do seu comércio, mas o arquiteto achou melhor deixar como está.”

PARA CONHECER MACHADO DE ASSIS – DOM CASMURRO

CAPÍTULO XXXII / OLHOS DE RESSACA

Tinha-me lembrado a definição que José Dias dera deles, “olhos de cigana oblíqua e dissimulada”. Eu não sabia o que era oblíqua, mas dissimulada sabia, e queria ver se podiam chamar assim. Capitu deixou-se fitar e examinar. Só me perguntava o que era, se nunca os vira, eu nada achei extraordinário; a cor e a doçura eram minhas conhecidas. A demora da contemplação creio que lhe deu outra ideia do meu intento; imaginou que era um pretexto para mirá-los mais de perto, com os meus olhos longos, constantes, enfiados neles, e a isto atribuo que entrassem a ficar crescidos, crescidos e sombrios, com tal expressão que…

Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá ideia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros, mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me, puxar-me e tragar-me.

Send to Kindle
Arnaldo Niskier

Arnaldo Niskier

Arnaldo Niskier é acadêmico correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e ocupa a cadeira 18 da Academia Brasileira de Letras. Atualmente, é Presidente do Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa-Escola do Rio de Janeiro – CIEE Rio. Foi apresentador do programa Frente a Frente na Rede Vida de Televisão.

Leia também

Ao pé da letra

Ao pé da letra #0

por

Começo de Conversa Esta é uma contribuição do SESI-SP ao esforço de valorização da língua portuguesa, hoje falada no mundo […]

Ao pé da letra

Ao pé da letra #9

por

Ledo engano “À entrada de uma empresa está escrito: seja bem vindo!” Isso não pode ser verdade. Ninguém é “bem […]